«

»

dez 11

Um mal chamado baixa auto-estima. Saiba como a psicoterapia pode ajudar!

Quem nunca se sentiu feio (a), inadequado (a), incapaz, inferior,
sad-597089__180 (1)desvalorizado (a) ou não aceito(a)? Todos nós em algum momento da vida já sentimos estes desconfortos emocionais em virtude de alguma instabilidade sofrida pela auto-estima que pode ser provocada por fatores externos ( situações que desencadeiam ) ou até mesmo por questões internas.  A pessoa pode sofrer de baixa auto-estima de modo crônico (sempre foi assim) ou ser acometida pela oscilação por uma razão ou situação específica ( está assim). Independente da condição, o abalo da auto estima é sempre um desconforto emocional significativo capaz de resultar em outros sintomas, trazendo prejuízos e sofrimentos para a vida de quem  sofre deste mal.

Mas o que significa auto ou baixa estima? Estima é a condição humana que auxilia a pessoa a sentir-se capaz, aceita, amada, reconhecida, valorizada e adequada.  É o conjunto de crenças construídas ao longo da vida em relação a si mesmo, ainda que assim a-person-966819__180não seja.  Sua origem tem ligação com experiências sentidas como rejeição, crítica, punições, abandono, abuso, assédio moral, desvalia e desamor que iniciam na infância e adolescência. Estão envolvidos nesta formação, fatores hereditários (tendência a certos traços de personalidade), familiares ( influência da família ), situacionais ( acontecimentos)  e sociais ( influência da sociedade incluindo a escola ). Qualquer situação que leva uma pessoa a comparar-se com o outra de modo a sentir-se inferior resulta no abalo da auto-estima. Se a pessoa ainda está nas etapas iniciais do seu desenvolvimento, poderá desenvolver uma auto-estima   falha. Se a pessoa já tem sua auto estima formada, dependendo da base construída, poderá afetar-se com menos intensidade, por isso a importância doimages (4) investimento na segurança interna. Uma base segura não é afetada com facilidade.   O fato é que se nos sentimos rejeitados nos primeiros anos de vida até a adolescência, muito provavelmente vamos repetir estes mecanismos através da auto rejeição e deficiência do amor próprio. A incapacidade de se amar vem do sentimento de não ser amado o suficiente em etapas importantes do desenvolvimento.

A deficiência do amor próprio nem sempre é consciente e muitas vezes a pessoa nem se dá conta do quanto adota para sua vida, condutas de auto-sabotagem que apenas reforçam esta condição.  O amor próprio deficiente gera insegurança e a necessidade de agradar o outro para a busca de aceitação ou até mesmo evitar contato social como defesa em relação a possibilidade de rejeição. A childs-foot-995300__180baixa auto estima pode originar fracassos e favorecer a presença dos fatores raiva, inveja, culpa,  mágoas, ressentimentos, ódios, depressões e tantos outros mecanismos auto destrutivos.  A maior defesa do ser humano a favor da sua auto-estima está na construção de uma atitude mental positiva em relação a si mesmo, ao outro e ao mundo, bem como na confiança para sobreviver às perdas, frustrações e demais realidades da vida. Uma auto-imagem negativa inibe a personalidade e influencia nas decisões determinando grande parte da vida.

Para a construção da auto-estima  é necessário disposição para seguir  as instruções relativas às medidas disciplinares que constituem mudanças comportamentais e no modo de pensar. A exposição é uma técnica comportamental cujo resultado positivo poderá auxiliar na reestruturação cognitiva ( mudança na forma de pensar ). Quando o resultado é negativo, o paciente é encorajado eimages (33) auxiliado a conseguir conter e lidar de modo positivo com  as ansiedades relacionadas  ao processo, portanto, independente dos resultados é possível trabalhar e fortalecer a segurança interna. A relação terapêutica  é um recurso de extrema importância no fortalecimento da auto-estima. Através do confronto empático e da reparação parental limitada, o terapeuta proporciona um ambiente seguro capaz de acolher os sentimentos relacionados a auto imagem negativa  e suas origens, ao mesmo tempo em que confronta de forma empática a necessidade da mudança. Dentro dos limites da relação terapêutica, o terapeuta assume um papel capaz de preencher as falhas das necessidades emocionais do paciente. As necessidades básicas na infância para a consolidação de uma boa auto estima estão relacionadas a segurança, proteção, sentimento de pertencimento, aceitação, afeto, respeito, validação e estímulo à autonomia. Esta função possibilita a reavaliar   a representação de
beautiful-316287__180figuras importantes internalizadas na vida mental. Desta forma, o terapeuta ao longo de todo o processo psicoterápico  acolhe, valida, encoraja, estimula, reconhece, aceita e compreende seu paciente e suas necessidades, ensinando o mesmo a desenvolver estratégias positivas em relação ao enfrentamento das crenças de incapacidade, desvalia e desamor.

Muitas vezes as pessoas adotam estilos de enfrentamentos disfuncionais que servem somente para alimentar, reforçar ou manter as crenças negativas. O paciente também é ensinado através das técnicas cognitivas a construir um modo de pensar contrário a downloadestas crenças, questionando as evidências e a  validade em nível racional. Uma vez modificado o padrão de pensamento, filtrar o que se pensa , ouve, fala, sente ou imagina, torna-se algo natural e espontâneo.  São sugeridos o uso de cartões de enfrentamento para auto instrução que possibilitam a  formação de atitudes mentais positivas e o desafio as situações aversivas. Outra técnica bastante utilizada é o trabalho dos direitos pessoais que inclui uma lista de  afirmações como os exemplos a seguir:

  • O direito de ser tratado com respeito;
  • O direito de não ser responsabilizado pelos problemas;
  • O direito de ficar furioso;
  • O direito de dizer não;
  • O direito de cometer erros;
  • O direito de expressar sentimentos e opiniões;
  • O direito de mudar de idéia, contestar ou protestar;

O treinamento da assertividade e habilidades também são técnicas eficazes para que o paciente possa desenvolver repertórios comportamentais necessários para o seu crescimento psicológico,shadow-986955__180  tomada de decisão, autonomia,  contenção das ansiedades, exploração dos pontos fortes e reconhecimento da auto eficácia.  O objetivo principal é auxiliar o paciente a utilizar o seu potencial mental de modo positivo e assumir o controle de sua vida através da auto aceitação e reconhecimento do seu valor próprio, para que consiga  amar a si mesmo, aos outros e à vida.

Vanessa Ebelingwatch film Wonder Woman now

Psicóloga – CRP 07/19327

Especialista em Psicoterapia Clínica

www.vanessaebeling.com.br

Sharevar hupso_services_t=new Array(“Twitter”,”Facebook”,”Google Plus”,”Linkedin”,”StumbleUpon”,”Digg”,”Reddit”,”Bebo”,”Delicious”); var hupso_toolbar_size_t=”medium”;var hupso_url_t=””;var hupso_title_t=”Um mal chamado baixa auto-estima. Saiba como a psicoterapia pode ajudar!”;
Share